21 de janeiro de 2017

Quadro com retrato de Julio Mesquita ( Santo André)

Na semana, em visita à ETEC Julio Mesquita em Santo André - instituição estadual que conta com mais de 80 anos de atividade - eis que me deparo em um cantinho bem discreto do auditório, durante palestra, com um quadro vistoso retratando Julio Mesquita, o homem que dá nome à escola e fez de O Estado de S.Paulo um jornal de ponta, após assumi-lo em fins de 1890. O quadro, sem assinatura, traz o empresário já em sua fase madura, segurando o veículo que lhe tomou toda a carreira jornalística e prosseguiu com seus filhos e netos (o filho Ruy Mesquita era a sua cara). Uma bela obra!

Para saber mais sobre Julio Mesquita, aqui:
http://acervo.estadao.com.br/noticias/personalidades,julio-mesquita,753,0.htm

18 de janeiro de 2017

Toninho Mendes (1954-2017)

Toninho Mendes, grande pessoa e um dos editores mais queridos da nossa HQ, faleceu hoje abruptamente, após sofrer uma queda em casa e não resistir a caminho do hospital. Toninho foi citado muitas vezes por mim aqui no blog, não só porque foi um dos mais irrequietos profissionais da nona arte ( e outras artes), responsável pelo surgimento das revistas Chiclete com Banana e Circo nos anos 80 (só pra dar dois exemplos), mas porque era daquelas pessoas que agregam, compartilham, unem almas e cabeças em torno de um projeto ou sonho. Sempre com humor. Multimídia, escritor, e principalmente transgressor, começou na imprensa independente ( Movimento, Versus..). Tive o prazer de conhecê-lo em alguns eventos ( como neste aqui: http://almanaquedomalu.blogspot.com.br/2014/04/cards-do-hqmix.html) e ele sempre foi muito solícito, lúcido, participativo. Amigo de infância de Angeli, sempre o manteve por perto. Também fez parceria de peso com Gonçalo Jr., editando livros seminais como "Maria Erótica e o Clamor do Sexo ( com foco na censura nos quadrinhos dos anos 70) e "A Morte do Grilo". Ultimamente vinha trabalhando com Tadeu Jungle em uma série sobre humor. Um dos lançamentos mais recentes ligados aos quadrinhos que teve mão sua foi o volume "Humor Paulistano - A Experiência do Circo Editorial" ( Sesi) , com toda a história/saga da Circo Editorial  ( aqui: http://almanaquedomalu.blogspot.com.br/2014/04/lancamento-humor-paulistano-experiencia.html . Toninho suou a camisa, alcançou sucesso em muitos de seus projetos, teve alguns problemas financeiros profundos ( tudo contado nesse livro) e no fim das contas marcou presença como um dos mais autênticos profissionais na área editorial. Siga bem, mestre!



17 de janeiro de 2017

Foto do Mês 2: Ponta Cristal (1984)

O Ponta Cristal foi uma das bandas mais competentes na história musical do Grande ABC paulista e ao nos debruçarmos em sua formação, fica escancarada essa qualidade. Afinal, todos os integrantes são exímios instrumentistas e ao longo dos anos acompanharam artistas de peso da música brasileira. O guitarrista/violonista Paulo Dáflin ( também conhecido como Paulinho França) por exemplo, apareceu com frequência na mídia nos últimos tempos, pois além de produzir Maria Bethânia, acompanhou Jair Rodrigues, falecido recentemente, em vários palcos e programas de TV. O grande Duda Moura, que eu conheço desde essa época do Ponta, emprestou sua bateria para muitas gravações nas últimas décadas, também produziu artistas (o próprio Gersinho, que lançou seu disco há uns anos atrás) e acompanhou muita gente - de Wanderlea e Jorge Mautner a Vânia Abreu ( irmã de Daniela Mercury) e Mônica Salmaso, entre tantos. Também lançou um método próprio de bateria e o curso Drumming Boy, com ênfase na música brasileira em todas as suas vertentes. Duda e o saxofonista Amílcar continuam tocando juntos, atualmente na banda Tropic Bossa ( já postada aqui no blog). Enquanto muitas bandas jovens no início dos anos 80 preferiam o rock, o Ponta Cristal focava na música brasileira, com muita improvisação, arranjos detalhistas e um clima bem "Clube da Esquina". Permaneceu em atividade de 1981 a 1985, lançando um LP homônimo em 1984. Na foto acima, gentilmente cedida por Duda Moura para publicação, vê-se o grupo no ano do lançamento do disco: da esquerda para a direita - Paulo Dáflin ( violão, guitarra, voz), Duda Moura ( bateria), Luis Walles ( baixo), Amílcar Lobosco ( sax) e Gersinho Machado ( violão, guitarra).

15 de janeiro de 2017

Achado 4: bilhete "culinário" em livro de receitas chinesas


Esse bilhete acima foi achado em um simpático livrinho de receitas chinesas editado em tamanho bolso nos anos 80. Vez em quando um achado desses acaba sendo mais interessante que a própria obra...rs. A missiva para o tal de Ewaldo, com data de 22/06/1983, foi feita por alguém entusiasta de culinária que pegou emprestado o livro e traz alguns detalhes curiosos: nessa época a comida chinesa ainda não tinha se espalhado pelos shoppings por meio dos fast-foods de plantão e o que ficava em evidência era um outro lado da culinária oriental: a sofisticação e o requinte, bem no estilo de um banquete de imperador, como é citado no texto! A assinatura do autor da cartinha, que acaba confessando no fim sua predileção pela comida japonesa, não identifica seu nome. Fica o registro.

(ps: só não consegui sacar esse nome "Connie Harrison" grafado no papel. Será uma empresa? Um hotel?Ou o papel é personalizado e na verdade o nome é do próprio missivista?

13 de janeiro de 2017

Van Gogh em movimento!


Um rapaz de apenas 20 anos, Marwan Medhat, resolveu mandar brasa em um projeto próprio intitulado "Live Art Project" e criou movimento em quadros clássicos do mestre Van Gogh. O resultado é incrível. Vejam no quadro acima e no link abaixo:

http://www.updateordie.com/2017/01/13/obras-de-van-gogh-em-movimento/

12 de janeiro de 2017

TV Programas: a ruidosa e atrevida revistinha que incomodou a Intervalo da Editora Abril


Há poucos dias estava fazendo minhas pesquisas para o mercado publicitário quando dei de cara com uma matéria sobre um livro recém lançado, que trazia a história de uma peculiar e atrevida revistinha paranaense de programação televisiva que acabou atravessando década e incomodando a poderosa Abril no final dos 60 - a TV Programas. Imediatamente compartilhei com meu amigo do FB André Lopez, que além de ser de Curitiba, adora esse tipo de informação. Como eu previa, ele já tinha lido sobre o assunto e compartilhado em dezembro, matéria da coluna Vida e Cidadania do José Carlos Fernandes, na Gazeta do Povo, justamente sobre a TV Programas. O ótimo post conta a história do fundador, Luis Renato Ribas e seu método próprio de marketing e editoração, em um tempo em que um aparelho de TV era compartilhado pela vizinhança toda. Cita também outro grande colaborador do guia, Célio Heitor Guimarães, e uma hedionda intervenção da Editora Abril no final dos anos 60, quando aproveitou uma negociação com uma distribuidora e incluiu uma cláusula que obrigava a empresa a deixar de distribuir a "nanica" TV Programas para não atrapalhar a chegada da revista Intervalo, com o mesmo foco, em terras paranaenses. Se a cláusula fosse desobedecida, perdia-se a cota da revista Tio Patinhas, na época um estouro de vendas. A revistinha incomodava pra valer o mercado editorial e esse desespero de causa da Abril provou isso. Essa manobra vexatória da editora do Civita não matou a TV Programas, que durou até 1977, mas aos poucos, ela foi se descaracterizando. Agora, estou louco para ler a biografia, e saber mais detalhes surpreendentes como este que foi citado. E que bom que o mundo está cheio de pessoas como o Luis Renato e o Célio, heroicos e pequenos guerreiros que de um jeito ou outro, cutucam ( com vara curta) e incomodam esses gigantes ricos e folgazões que zanzam ranzinzas pelo capitalismo selvagem. O preço muitas vezes é alto, mas a História que fica ninguém apaga.
Abaixo, a matéria:

http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/colunistas/jose-carlos-fernandes/nos-tempos-da-tv-programas-a-revista-cdxitggiy00bc54zih7frvjl3

E aqui, o lançamento do livro, escrito a quatro mãos por Célio e Luis Renato:

http://www.gazetadopovo.com.br/blogs/blog-do-bessa/ary-fontoura-prestigia-lancamento-de-livro-sobre-a-historia-da-tv-do-parana-nesta-sexta/

10 de janeiro de 2017

Foto do Mês: Rádios na porta do antiquário ( Ouro Preto-MG - dezembro de 2016)

Além das exposições que consegui ver em minha mini-mini férias de fim de ano (depois de Gaudí e seus contemporâneos/conterrâneos artistas, as obras de  Leda Catunda serão as próximas por aqui), pude conhecer finalmente, ao lado da family, a histórica Ouro Preto. A hospedagem estratégica foi no Sesc-Contagem/Betim ( um local muito bem cuidado, como é de praxe na rede) e dali acabamos indo para Ouro Preto por um dia e também para o Museu de Inhotim em Brumadinho-MG. Tanto a cidade do ouro como o enorme museu artístico/paisagístico terão imagens devidamente postadas cá no Almanaque. Por enquanto publico essa singela foto do mês tirada numa ruela apinhada de lojinhas em Ouro Preto: a fachada de um antiquário mui simpático e seus sólidos e imponentes rádios valvulados dando o ar da graça para quem vem da rua. Um barato!

9 de janeiro de 2017

Exposição de Gaudí em SP

Eu e minha turminha de casa fomos ver no fim de dezembro, com muita expectativa, a exposição "Gaudí: Barcelona 1900" no Instituto Tomie Ohtake, com maquetes perfeitas, modelos tridimensionais, vídeos, fotografias, detalhes de produção das obras e uma mostra paralela com grandes artistas catalães que dividiram o Modernismo com Gaudí no mesmo período. Ficamos bem impressionados com a técnica do mestre em sua arquitetura, que soube criar e moldar uma geometria própria observando a própria natureza e suas sutilezas. Os pintores contemporâneos do grande arquiteto também nos deram uma ótima impressão. A exposição segue até 05/02 e o valor de entrada é bem tranquilo ( R$6 e R$12).

Mostra paralela com obras modernistas catalães nas primeiras décadas do século XX:























Mostra principal de Gaudí:




































http://www.institutotomieohtake.org.br/exposicoes/interna/gaudas-barcelona-1900v